quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

IDENTIDADE


Preciso ser um outro
para ser eu mesmo

Sou grão de rocha
Sou o vento que a desgasta

Sou pólen sem insecto

Sou areia sustentando
o sexo das árvores

Existo onde me desconheço
aguardando pelo meu passado
ansiando a esperança do futuro

No mundo que combato morro
no mundo por que luto nasço

Mia Couto

7 comentários:

  1. Que palavras profundas.

    ResponderExcluir
  2. Naty, esse poema é bem marcante.

    Bjssss

    ResponderExcluir
  3. Excelente poema....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  4. Por onde andas?

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. É a correria da vida, amigo.

    Abração

    ResponderExcluir
  7. Oi, Naty.
    Valeu pelos comentários.

    Bjs.

    ResponderExcluir